Seja bem-vindo!
Meu Cadastro Meus Pedidos Minha Compra 0 itens
Home Conselhos Editoriais Notícias Lançamentos Fale Conosco
 
As Dimensões da Formação Humana
As Faces da Lingüística Aplicada
Caminhos da Construção
Cenas do Cotidiano Escolar
Coleção Análise do Discurso e Ensino
Coleção Desconstruindo a Violência
Coleção Educação Estatística
Coleção Fazer A_Parecer
Coleção Insubordinação Criativa
Coleção Psicologia em Perspectiva
Coleção TerramaR
Desenvolvimento Humano e Práticas Culturais
Discurso e Ensino
Educação
Educação e Psicologia em Debate
Educação Em Ciências
Ensaios em Interculturalidade
Estudos da Linguagem
Gêneros e Formação
História, Ciências Sociais e Economia
Histórias de Leitura
Idéias Sobre Linguagem
Leitura e Bibliotecas Escolares
Leituras no Brasil
Letramento, Educação e Sociedade
Letras em Série
Linguagem, Ensino e Formação
Lingüística
Lingüística e Psicanálise
Literatura
Memória e História da Educação
Mercado de Letras Fundamental
Mercado de Letras Saúde
Mercado de Letras Temas
Perspectivas e Desafios na Formacao de Professores da Educacao Basica
Série Aurora
Série Bakhtin - Inclassificável
Série Caminhos da Neurolinguística Discursiva
Série Drogas, Política e Cultura
Série Educação Geral, Superior e Formação Continuada do Educador
Série Educação Matemática
Serie Escola e Universidade
Série Espaços da Linguística de Corpus
Série Estudos do Léxico
Série Estudos em Políticas Públicas e Educação
Série Literatura, Leitura e Educação Infantil
Teoria Literária
Toda Crianca Pode Aprender
 
Detalhes da Obra Mercado de Letras •
Projetos no Contexto de Ensino, Pesquisa e Extensão

Dimensões Políticas, Filosóficas e Metodológicas (Organização: Maria Antonia Granville)

• Maria Antonia Granville

DE R$ 52,00 POR R$ 36,40.

A escola, desde meados da década de 1980, vem sendo conformada à ideologia neoliberal em nome da necessidade de adequar-se à “globalização”, fenômeno tido como inexorável pelos ideólogos do neoliberalismo. Esses ideólogos interferem na formulação e desenvolvimento das políticas educacionais por meio de organismos internacionais como, por exemplo, o Banco Mundial, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura – UNESCO – e a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE.
As persistentes fragmentações do conhecimento (fazer-pensar; ensinar-aprender; saber acadêmico-saber escolar; conhecimento científico-saber popular) estão sendo postas em debate. “Ora, o que não é pensado insiste!” nos diz Alain Badiou e, queremos crer que tais propostas de discussões das persistentes fragmentações do pensamento geográfico contemporâneo, ultrapassando as tentativas de sínteses disjuntivas que somente restauram a repetição das dualidades, se queiram uma forma de superá-las (Badiou 2007, p. 12).
Diferentes abordagens se complementam na tentativa de responder aos desafios existentes no processo ensino-aprendizagem, no qual a prática pedagógica docente se constitui como um dos aspectos fundamentais. A questão metodológica, nessa perspectiva, torna-se muito importante, e o Psicodrama Pedagógico surge como uma alternativa que pode abranger um amplo campo de aplicação e que pode ser desenvolvida em diferentes níveis de ensino.
Este trabalho sintetiza a análise que realizamos do debate sobre a Educação de Jovens e Adultos (EJA) no decorrer da década de 1990. Ao tomá-lo como objeto de pesquisa nosso objetivo consistiu na problematização de duas questões: Qual era a concepção de educação defendida pelos agentes sociais, representantes da chamada “sociedade civil organizada” que atuam no campo da EJA como os promotores e organizadores do debate nesse campo específico da educação. A outra questão era a seguinte: Qual a crítica que esses agentes sociais fazem da reforma educacional, implementada pelo governo brasileiro na década de 1990?
...uma das questões mais complexas levantadas pelo movimento ambientalista é a que diz respeito à relação do homem, organizado em sociedade, com a natureza. “A perspectiva fatalista, o reducionismo biológico e a análise a-histórica desta questão” (Borheim 1985; Gonçalves 1989; Reigota 1995) “são riscos que devem ser evitados a todo custo se é que se pretende uma visão mais crítica e ampla desta realidade”(Carvalho 2000, p. 5).
A escola, muitas vezes, preocupa-se em transmitir o maior número possível de conhecimentos, sem dar importância para o esquecimento posterior dos mesmos, e sim para o fato de os alunos tê-los visto um dia. Com isso, não se está tratando da qualidade do que é ensinado, mas sim da quantidade.
Vive-se a era dos projetos em todas as esferas sociais e, em especial, na educação escolar, o que torna oportuna a análise do movimento que eles operam na escola pública, em todos os níveis escolares, a Educação Básica (Educação infantil, Ensino fundamental e Ensino médio) e a Educação Superior.  
Pela amplitude desta problemática, este capítulo discute as relações inerentes ao projeto institucional que envolve duas instâncias públicas, a escola-formadora e promotora do projeto e a escola-campo de realização deste. Como formadora, tem-se a Universidade ou, mais especificamente, os cursos de Licenciatura e, como campo de realização do projeto, a Escola Básica de educação infantil, ensino fundamental e médio.

 
 
Por: R$ 36,40
ISBN: 978-85-7591-163-1
Páginas: 184
Formato: 14 x 21 cm
Altura: 21 cm
Largura: 14 cm
Profundidade: 1 cm
Acabamento: Brochura
Edição:
Idioma: Português
Ano: 2011
 
 
Formas de Pagamento