Seja bem-vindo!
Meu Cadastro Meus Pedidos Minha Compra 0 itens
Home Conselhos Editoriais Notícias Lançamentos Fale Conosco
 
 << Voltar
Crítica e Teoria Literária
O Jagunço Somos Nós - Visões do Brasil na Crítica de Grande Sertão: Veredas
Danielle Corpas.
ISBN: 978-85-7591-387-1
Formato: 12 x 22 | Acabamento: Brochura
Páginas: 12 x 22 | Ano: 2015 | Edição: 1
Idioma: Português
Preço: R$ 0,00

 

Sinopse:

 

Este livro parte da constatação de que, nas décadas que nos separam do lançamento de Grande sertão: veredas, formou-se - ainda que marcado por descontinuidade, atravessado por lacunas - um fértil acúmulo crítico a respeito do caráter representativo do romance em relação ao Brasil moderno. Observando detidamente a armação dos argumentos em leituras que se voltam, ao mesmo tempo, para a obra ficcional e para a experiência social a ela relacionada, este estudo de caso sobre a crítica literária brasileira chama atenção para questões de longo alcance. Diante das divergências que se apresentam quando se trata de discutir a correlação entre forma estética e matéria brasileira no Grande sertão: veredas, fica a impressão de que a carga de ambiguidade e polissemia no livro de Guimarães Rosa, assim como sua inclinação para a mitificação, dissimulações e artifícios das mais diversas ordens, tudo isso converge para que se mantenha radicada no paradoxo a imagem do país - a idealização de superação dos problemas fundida à expressão de permanência dos mesmos.

Uma série de juízos sobre a cultura, a ordem social e a política no Brasil veio se constituindo na recepção de Grande sertão: veredas desde seu lançamento, em 1956, tanto sob forma de comentários acerca de particularidades nacionais inscritos em análises de passagens e aspectos da narrativa quanto em hipóteses de leitura do romance como um todo que vêm de par com tentativas de interpretação do país.

Acompanhando o andamento desse debate que perpassa a fortuna crítica do livro de Guimarães Rosa, O Jagunço Somos Nós apresenta e discute as posições que uma parcela relevante da crítica literária no Brasil assumiu ao refletir sobre a singularidade formal de um romance divisor de águas na literatura de língua portuguesa e sua relação com a matéria brasileira.

SOBRE A AUTORA:

Danielle Corpas nasceu no Rio de Janeiro em 1972. É doutora em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e professora de Teoria Literária no Departamento de Ciência da Literatura da Faculdade de Letras dessa mesma instituição. Integrante do Grupo de Pesquisa Formação do Brasil Moderno (Diretório CNPq).

Sobre os Autores:
Danielle Corpas - Nasceu no Rio de Janeiro em 1972. É doutora em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e professora de Teoria Literária no Departamento de Ciência da Literatura da Faculdade de Letras dessa mesma instituição. Integrante do Grupo de Pesquisa Formação do Brasil Moderno (Diretório CNPq).

Formas de Pagamento